sábado, 14 de junho de 2008

res

saltou do avião.
um segundo depois do anterior a ele. nem olhou pra trás.
sentiu o vento forte no rosto e resolveu pensar. a vida, os amores, os desgostos. percebeu que estava só naquele momento. ele e o vento forte, o céu e as nuvens.
tudo muito claro em sua mente. a memória ajudava um bocado, talvez porque estivesse livre.

em queda livre. caindo sem cair...
estranho, isso.
estranho a memória vir assim, desse jeito. tão... viva.


não sabia a terça parte da metade da situação...

terça-feira, 10 de junho de 2008

sobre freud

é nos sonhos que nos co[m]cretizamos.